sexta-feira, 2 de setembro de 2016

E aos tolos confessei das vezes que te amei no escuro, nos meus silêncios disse aos sábios o quanto a chuva anunciava o meu desespero. Você é a tempestade, o caos mais assombroso que qualquer capitão teme enfrentar. Os ventos não me favorecem na calmaria, talvez nunca desejasse um mar sereno. E enquanto esta embarcação estiver sobre as águas, enquanto não encontrar terra firme, o teu desconhecido mar me fará suportar as agonias de um eterno e incansável marinheiro  a velejar.